quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

ABUSO SEXUAL Mulher acusa o próprio pai de estuprá-la há mais de 30 anos


TV's LCD, Home Theater, Celulares, Som Portátil

Mulher acusa o próprio pai de estuprá-la há mais de 30 anos
A mulher tem 42 anos e o pai, 66 anos. O último abuso teria ocorrido na tarde de terça-feira (11)

Crédito: The Rape, 1940 (nanquim sobre papel), Pablo Picasso
(1881-1973) / Private Collection / The Bridgeman Art Library
Uma mulher de 42 anos denunciou à polícia ter sido abusada sexualmente pelo próprio pai, que tem 66 anos. O fato aconteceu na tarde de terça-feira (11), mas a vítima diz sofrer os estupros há mais de 30 anos. A mulher contou, em depoimento, que estava na casa da filha, em um bairro de Cariacica, quando foi abusada pela última vez.

Ela teria ingerido bebida alcoólica e dormiu. De repente, acordou assustada com os gritos do irmão cadeirante, alertando que o pai estava em cima dela, praticando o abuso. Ela conseguiu correr, mas o idoso teria dado um tapa no rosto do filho, por causa da interferência.

A filha da vítima chamou a polícia, mas, quando os militares chegaram na casa, o suspeito não estava mais lá. Ele foi localizado em um ponto de ônibus num bairro próximo dali. Segundo a polícia, o homem carregava uma sacola com roupas. O idoso e a filha foram levados para para o Plantão Especializado da Mulher, na Ilha de Santa Maria, em Vitória, onde prestaram depoimento.

À polícia, o homem disse que nunca estuprou a filha. Ele alegou que na tarde de terça foi à casa da neta, que mora no mesmo quintal onde ele reside, para atender o filho cadeirante. Depois, ele foi a um bar.

Mesmo negando, o homem foi autuado por estupro na forma da Lei Maria da Penha pela delegada Michelle Meira Costa, já que, segundo a polícia, além de o homem ter tentado fugir, a versão da vítima foi confirmada pelo irmão dela aos PMs.

O cadeirante não pôde comparecer à delegacia para formalizar o depoimento por questões de saúde. O idoso foi encaminhado para o Centro de Triagem de Viana (CTV). A filha foi encaminhada a exames de lesão corporal no Departamento Médico Legal (DML).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se livre para deixar um comentário educado... O seu comentário poderá levar alguns minutos para ser exibido.