quarta-feira, 13 de abril de 2011

Andarilhos fazem sexo no meio da rua e revoltam moradores em bairro de Vitória


TV's LCD, Home Theater, Celulares, Som Portátil
A comunidade do bairro Ilha de Monte Belo, em Vitória, está revoltada com os moradores de rua que frequentam a região e denunciam que eles praticam sexo em plena via pública. "Eles fazem várias coisas, usam drogas, fazem sexo, tomam bebida alcoólica e outras coisas", conta a babá Mônica Almeida. O servidor público Ronan da Silva afirma que as crianças do bairro convivem com cenas desagráveis. "Está incomodando a gente porque crianças passam aqui e presenciam sexo e uso de drogas. Para nós moradores fica ruim e atrapalha nosso dia a dia", desabafa. Na calçada de uma das ruas do bairro os andarilhos improvisaram uma cama feita de papelão e consomem bebida alcoólica no local.

Uma das moradores de rua, Neli Andrade, se defende das declarações da comunidade. "Aqui a gente bebe, a gente dorme, mas a gente não faz sexo. Só existe cachaça e nossas comidas", alega. Cláudio Fernandes, que também mora nas ruas da Ilha de Monte Belo, deu sua versão sobre o caso. "Nós moramos na rua e convivemos na rua. O lixo é jogado pelos moradores também. Nossa parte a gente vai reciclar no ferro velho. As pessoas que moram ao lado têm direito de reclamar porque veem isso mesmo", garante.

Às vésperas de completar 80 anos de vida, a aposentada Rosa Souza diz como se sente com as cenas que presencia diariamente no bairro onde mora há mais de 40 anos. "Para mim isso é a coisa mais horrível do mundo. Um joga pau no outro, pedras e eles brigam. Eu tenho medo de deixar meus bisnetos no local. Eles fazem todas as necessidades no chão e não respeitam ninguém que está passando", relata a idosa.

Segundo a comunidade, o problema é antigo e são mais de três anos de convivência com essa realidade. Os moradores afirmam que a situação já foi denunciada à prefeitura de Vitória diversas vezes. "Os moradores estão indignados com a situação. A prefeitura já ofereceu transporte para o abrigo público, mas eles não querem. Já está no ponto de haver um conflito entre os moradores e eles. Queremos uma providência. Estamos sofrendo com essa situação", afirma o agente social Jailson Barbosa.

A Secretaria de Assistência Social de Vitória informa que a região é monitorada diariamente pelo Serviço de Abordagem Social. O local é ponto de concentração de catadores de materiais recicláveis e de moradores do entorno que se juntam ao grupo de catadores principalmente para fazer o uso de álcool. A abordagem a esse grupo é diária, mas as pessoas resistem em aceitar o encaminhamento para os serviços de atendimento da Prefeitura. A Secretaria informa que o Serviço de Abordagem continuará monitorando o local e que em casos de atentado ao pudor a Polícia Militar deve ser acionada.


Folha Vitória

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se livre para deixar um comentário educado... O seu comentário poderá levar alguns minutos para ser exibido.