segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Senadora belga propõe greve de sexo até formação de governo


TV's LCD, Home Theater, Celulares, Som Portátil
MarleenTemmerman
A senadora social-democrata flamenga Marleen Temmerman propôs que as mulheres dos negociadores da crise belga declarem uma "greve de sexo" com o objetivo de pressionar um acordo que permita solucionar o bloqueio político no país, que leva mais de meio ano sem Executivo.

Em declarações ao jornal "De Morgen", Temmerman, no Senado desde 2007 e ginecologista de profissão, afirma que "uma greve de sexo poderia funcionar no país, pois é melhor que o cinismo".

A Bélgica vive seu 239º dia sem governo, depois que as eleições do dia 13 de junho do ano passado não alcançaram um acordo entre os sete principais partidos para reformar o Estado e formar uma coalizão de governo.

A senadora, cujos trabalhos de medicina foram publicados no "British Medical Journal", evocou com esta proposta ao mito de Lisistrata, que solucionou assim a batalha entre Atenas e Esparta.

Segundo Temmermans, no Quênia existe um exemplo real que prova que este instrumento pode funcionar.

"Após um ano de mal-entendidos, um movimento de mulheres pediu às esposas dos negociadores para elas não cederem até que se solucionasse o conflito. Uma semana mais tarde, havia um pacto sobre a mesa".

Ao longo destes sete meses, o rei Alberto 2º, um dos poucos elementos de unidade dos belgas, encarregou até seis missões de "conciliação", "mediação", "pré-formação", "esclarecimento" e "informação", para tratar das posições.

EFE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sinta-se livre para deixar um comentário educado... O seu comentário poderá levar alguns minutos para ser exibido.