sexta-feira, 13 de junho de 2008

Adolescentes fazem sexo. E os pais são os últimos a saber


TV's LCD, Home Theater, Celulares, Som Portátil
Vídeo: The Brain Fuser 2-7 - Juventude Perdida


Se você já acha que a garotada anda precoce demais não vai se surpreender tanto com os dados de uma pesquisa recente que analisou o que os jovens pensam sobre o sexo. O resultado é que 23% deles já tiveram relações sexuais completas, sendo que 15% transaram com mais de cinco parceiros.

A pesquisa foi feita pelo médico psiquiatra Jairo Bauer – colunista do Folhateen, da Folha de São Paulo, e apresentador de programas de rádio e TV – e ouviu mais de 7.520 alunos, entre 13 e 17 anos, de 20 escolas da Grande São Paulo.

Pelo menos 60% dos entrevistados disseram que não falam de sexo com os pais, o que, para a ginecologista e sexóloga Denise Galveas Terra, não é novidade.

"A maioria dos pais só fala de sexo quando é para advertir quanto aos perigos da prática sexual. Explicam de forma muito pontual e só sobre gravidez e doenças. Eles não conversam sobre emoções, experiências. Assim, não criam intimidade com os filhos", analisa a médica.

Sem diálogo aberto e franco, não é de se estranhar que os adolescentes estejam mantendo relações sexuais sem proteção. Na pesquisa, 22% admitem que não usaram preservativo na primeira transa.

"Apesar de saberem que a iniciação sexual acontece cada vez mais cedo, os pais fazem escândalo se flagram a filha com pílula anticoncepcional ou o filho com camisinhas, quando deveriam dar apoio e ajudá-lo a se proteger", destaca Denise Terra.

Um bom bate-papo, diz ela, pode fazer com que o adolescente entenda que não é saudável trocar tanto de parceiros. "O ideal é orientá-lo a ter sua primeira relação sexual com alguém de quem realmente goste, com quem tenha vínculo. Sexo é bom, mas acompanhado de muita responsabilidade".


Veja mais dados da pesquisa

Sexo

Cerca de 60% dos jovens de 13 e 17 anos não conversam com seus pais sobre sexo

Mas 23% já tiveram relações sexuais completas

E 15% já se relacionaram sexualmente com mais de cinco parceiros

Outros 63,7% acham que as mulheres deveriam se preservar mais do que os homens na hora do sexo


Prevenção de doenças

A grande maioria (cerca de 70%) tem informações corretas sobre procedimentos para sexo seguro e uso de camisinha

22% disseram que não usaram camisinha na primeira relação sexual

A camisinha já foi usada como método anticoncepcional por 74% dos entrevistados; e a pílula, por 20%

Mas 28% disseram que abandonariam o uso da camisinha se vivessem uma relação estável

Entretanto, 61% das meninas entrevistadas têm medo de engravidar

Cerca de 9% delas já enfrentaram uma gravidez

Outras 44% têm medo de contrair alguma doença


Drogas / Comportamento

26,4 % usam bebidas alcoólicas às vezes e 5,5% bebem freqüentemente

10% já experimentaram maconha

23,5% já ficaram com alguém que conheceram pela internet

Para 25,7% o namoro mais longo que tiveram durou de um a três meses

26% têm uma convivência péssima com os pais

A pesquisa foi feita pela internet com 7.520 alunos, entre 13 e 17 anos, de 20 escolas da Grande São Paulo. Outros dados estão no site www.doutorjairo.com.br


Faça sua parte

Desde o início. A educação sexual começa na infância, quando a criança faz as primeiras perguntas sobre a sexualidade ("De onde eu vim?", "Como os bebês nascem?"...)

Continua na adolescência. Não espere que seu filho chegue à adolescência para abordar o assunto pela primeira vez. Se ele foi orientado ao longo dos anos, vai ser mais fácil lidar com a questão agora

Sem escândalo. Não faça escândalo se flagrar uma receita de pílula anticoncepcional na bolsa da menina ou preservativos na carteira do menino. Nada de censura. Isso vai quebrar qualquer confiança que ele poderá ter em você. Ele pode passar a transar escondido e, pior, sem proteção

Oriente. Também não finja que nada está acontecendo. Se ele(a) está iniciando a vida sexual, o melhor a fazer é apoiá-lo(a) e dar todo o suporte para que possa se proteger de doenças e da gravidez indesejada

Eduque. Mostre a seu(a) filho(a) que é mais importante ter a primeira relação sexual com alguém de quem goste e com quem tenha vínculo

Sem sermão. Não fique apenas na advertência, falando dos perigos da prática sexual. Fale sobre o prazer, as dificuldades e as decepções e tudo o mais que estiver envolvido com o sexo

Dormir em casa. Deixe claro o que pensa sobre trazer a(o) namorada(o) para dormir em casa. Não aceite só para bancar o moderno. Você tem o direito de não se sentir à vontade com isso



Fonte: Denise Galveas Terra, ginecologista e sexóloga (A Gazeta)

5 comentários:

  1. adorei essa materia pois tenho 14 anos e moro so com a minha mae ela nunca abordou nada sobre isso eu nao sou mais virgem eu e a minha prima temos as mesmas idades e perdemos a vingirdade no mesmo dia e como o mesmo garoto isso a gente tinha uns 9 anos de idade depois nao tranzamos mais !
    beijos estava louca pra falar isso pra alguem mas tenho mta vergonha
    obs : to loca pra tranzar bem gostoso e goza o tempo todo ain ain ain

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkk

    Que juventude é essa?
    Serto que alguns adolescentes podem achar que é injusto eles ñ poderem faser sexo mais essa é a realidade.

    Tbm tenho 14 anos,mais v6 ñ achan que nunca tive vontade de faser sexo? ,é obivio que sim ,mais tenho juiso.

    Nunca vi algo assim ,perder a virgindade com 9 anos ,o nenino que fudeu com vc ,ñ deveria ter nem 3cm de PAU ,kkkk...

    Vai dormir PORRA.

    ResponderExcluir
  3. É tudo á grande a chavalada a fuder a toda a hora kesta merda voces debiam ver os tempo antigos. so sabem tocar a punheta.

    ResponderExcluir
  4. Também tenho 14 anos, perdi a virgindade com 12, com um namorado que eu tinha a quase 2 anos. Mas eu tive o mínimo de senso para saber me preservar, depois da primeira vez veio várias outras, com outros garotos e tudo mais. Essa história de "perdi a virgindade aos 9 anos" só mostra que a pessoa não tem maturidade o suficiente e nem tem ainda. Sexo não se determina com idade e sim com cabeça (yn

    ResponderExcluir
  5. acho q cada pessoa tem que ter responsabilidade na hra de fazer. eu nao concordo quando crianças muitas vezes fazem isso por fazer.sei q todos pensam em fazer mas todos devemos ter a cabeça no lugar e principalmente responsabilidade em primeiro lugar

    ResponderExcluir

Sinta-se livre para deixar um comentário educado... O seu comentário poderá levar alguns minutos para ser exibido.